domingo, 6 de outubro de 2013

Mineral- EndSerenading - Tradução



 

Escrevinhador de Carta de Amor

O verão se desenrolou como uma tapeçaria
E você estava lá como sempre tem estado

No brilhante onde o céu encontra as árvores
Ar exultando suavemente, cantando medos para dormir.

Você alguma vez saberá o quanto eu te amei por aquilo?
Você alguma vez saberá o quanto eu te amei?

Paliçada

Ali eu estava; rodando sobre mim mesmo com catorze anos
Com os meus braços como um espantalho
Andando no Monroe para o parque
Dançando no Madison

Com meus olhos fechados, seus passos.
Soavam como uma sinfonia de cordas
Você me pegou e sussurrou “Para sempre”
Como um segredo nos meus ouvidos
Agora...

GJS

Você me acordou de manhã
Para dizer, “ele ressuscitou”.
E eu respondi com um sorriso,
“Ele ressuscitou verdadeiramente”
E de alguma forma você sempre deixa o quarto
Alegre com verdade e beleza
E se comporta como se soubesse
É tudo uma questão de tempo

Eu disse, “mas talvez eu esteja muito baixo nesse momento”
“Orgulhoso demais para esperar, muito fraco para escalar”
Mas você acaba de me perfurar com seus olhos
E eu sei que estou acabado

E eu posso
E se comporta como se estivesse certo disso
Como os pontos dissolvidos
E todas as feridas cicatrizam com o tempo
Suas palavras são gigantes perto das minhas
E seus pensamentos são gigantes

Eu só espero que algum dia
Eu possa me assemelhar a você
Mesmo da menor maneira
Eu só espero que
Você possa se orgulhar de mim.

Inacabado

Eu desejo que você possa colocar seu ouvido até meu coração
E ouvir o quanto eu te amo

Eu ainda sonho com Dezembro
Dançando junto com os anéis em nossos dedos

E os dois se tornarão...

Para Ivadell

Ivadell, você estava realizada em seus braços aquele dia.
Mas olhe o quão minúsculos ambos, Matthew e eu, éramos.
Você é tão forte e cheia de graça

Quais histórias essas fotos podem contar
Dos dias que éramos banhados brilhantemente no sol
O remédio de rir em todo lugar

Ivadell eu te segurei nos meus pensamentos aquele dia
E desejei que eles fossem braços para quando você estava frágil
E partindo deste lugar

Quais histórias as pinturas desses meninos
De morros muito íngremes para subir ascendido
E corações que estavam destemidos
Para bater suas asas e voar

Mas você está segura agora e respirando sem esforços
Onde um novo clima vai cair sobre você
Seus medos quebrarem como ondas
Formando espumas sobre si mesmos
Desaparecendo no mar

Acordando para o inverno

No inverno quando o ar fica frio
E respirar causa o aparecimento de fantasmas brancos

Eles iluminam a cidade com as árvores de Natal
E cordas que pendem nas ruas
De poste de telefone em poste de telefone

Então quando eu estou dirigindo pra minha casa à noite
Frustrado, cansado e preso por despeito.
Lembro-me do seu amor
Ao contrário dessas coisas, nunca vai mudar.
Ou desaparecer ou morrer

Uma carta

E sempre há uma fotografia de você e dela
Voltando para casa felizes de umas férias nos mares

E você parecia um marinheiro
Com uma tatuagem de ancora no seu braço
Seu cabelo untado de volta
Rosto curtido por lugares e dias que eu nunca havia visto

Algumas vezes eu leio e releio

O cartão de aniversário que você me enviou
Quando eu fiz sete anos
E eu sei que eles nunca vão brilhar
Do jeito que brilharam aquele dia
Quando nós jogamos aviões de papel na sua cabeça
E sentamos nos seus joelhos rindo

Soa como domingo

O tempo não cura sempre
Apenas respira e engole memórias
Como as estações mudam-
Enviando aguaceiros; batendo flores.
Dentro da lama
E nada fica para sempre nesse lugar
Nada exceto a maneira que meu coração se encaixa nas suas mãos;
A respiração presa de esperança
E o doce persistente gosto da graça
Quão abençoados nós somos por chorar agora,
Para o que vamos rir algum dia... E como.

Fim da serenata

Você virá e o que eu vou dizer?
Oh, eu tenho estado tão distante e infeliz.
Como se eu pudesse desaparecer

Quando eu era garoto eu via coisas
Que ninguém mais poderia ver
Então por que estou tão cego aos vinte e dois?
Para a esperança que está toda a minha volta
Enchendo esta sala

Na estrada, sozinho.
Esperando que as palavras caiam da sua língua
Nos meus ouvidos

Quando eu era garoto eu podia ouvir
Sinfonias em conchas marinhas
Então por que estou tão surdo aos vinte e dois?
Para o som da neve caindo
Que me leva para o lar à você

A última palavra é Regozijar-se

Como eu vou beber desse riacho?
Como meu coração vai cantar em sua glória?
Como eu vou repousar em campos de grama?
Quando minha alma está com tanto medo

De se encher de contentamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário