segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Joie de Vivre- The North End [2010]



“Águas moventes,
A mulher é o ventre
Onde a morte

À vida permanece presa”, Maria Lúcia Dal Farra.

Gracioso e sutil, ainda assim simples e elegante; Joie De Vivre deixa  sua marca!

Eu sempre fui fascinado pelo pintor romântico espanhol Francisco Goya. Você talvez reconheça suas peças mais populares com a representação da Guerra Civil Espanhola, na tela El Tres de Mayo 1808, ou o trabalho pressentido (e agora disputado) El Coloso, mas o que mais me interessa é o mundo obscuro que começou a se manifestar em suas pinturas. Intensos e insanos, os trabalhos que ele rabiscou na parede de sua residência, Quinta Del Sordo, eram tão pessoais que nunca foram criados para serem vistos pelo resto mundo (felizmente vimos!). Temas de horror e mortalidade eram lugares comuns para Goya, um homem sofrendo de surdez. Mais do que se tornar um simples conturbado, as “pinturas negras” de Goya deixaram a impressão distinta de um homem solitário, em seu próprio mundo pequeno. A comparação não é perfeita, é claro, mas a solidão distinta e narrativa pessoal de Goya surge muito semelhante à jornada introspectiva do Joie De Vivre, em seu primeiro álbum cheio, The North End. Sim, obviamente o álbum do Joie De Vivre foi criado para ser compartilhado com o mundo (e deveria ser), mas The North End, de uma maneira integral, cria uma tela branca de tédio, letargia e até mesmo ambiguidade assim como o artista espanhol do século dezenove.

Efetivamente, é fácil para eu ver porque tive essa ânsia de comparar Joie De Vivre com Francisco Goya quando o trompete solitário me atinge. The North End é um álbum inteligente e pessoal, que claramente desenha contornos de conexões pessoais para um ouvinte sortudo! No seu núcleo e suavidade, The North End impressiona não por prover outro clone típico do SDRE, mas ao invés disso esculpe um caminho “tão sutil” para a banda, investigando a psique do ouvinte.

(E também Joie De Vivre é o novo Mineral. Não precisa falar mais nada, não é?!).

Nenhum comentário:

Postar um comentário