sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Entrevista com Rowan Oak


O tempo lento que se apresenta a canção do Rowan Oak, com sua linha de baixo bem presente, o vocal melódico e com a garganta, mostra claro seu pé fincado no Midwest Emo 90. Comparações com o Texas Is The Reason não são equivocadas, e, como mostrado na entrevista abaixo, com o vocalista/guitarrista Flo, até lisonjeiras para a banda:

Vocês podem acessar o facebook deles por aqui: www.facebook.com/westerngracems?fref=ts
E acessar a bandcamp deles por aqui: rowanoakms.bandcamp.com/

-------------------------------------------------------------------------



1. Vocês encontraram alguma maneira de voltar?

Flo: Ah, boa questão! Na verdade, a canção é sobre perder contato com as pessoas que você cresceu e tentar manter velhas amizades. E se você se esforçar o suficiente, sempre há uma maneira. Então sim, nós encontramos essa maneira, embora fique cada vez mais difícil exercê-la.

2. Vou lhe dizer. A primeira vez que ouvi sua canção no Bandcamp, Hate Grenade, me deu o mesmo tipo de sensação do que quando ouvi Texas Is The Reason, eu totalmente queria ouvir mais coisas. Eu estou certo, realmente Texas Is The Reason é uma de suas influências? E falando sobre influências, como vocês criam música sem copiar as bandas que ouvem?

Flo: Sim, finalmente alguém que realmente entendeu isso, haha. Texas Is The Reason é uma das minhas bandas favoritas. E eu estou tão contente de poder tê-los visto na última turnê esse ano. Mas, como você já ressaltou, é difícil ser influenciado por bandas e não copiar seu som, especialmente todo esse negócio de Midwest Emo dos anos 90, que tem uma dinâmica sonora muito definida, silêncio versus barulho, cantar versus berrar e por ai em diante. Nós apenas tentamos escrever música que gostamos, em primeiro e mais importante lugar. Se as pessoas apreciarem isso e puderem viver com o fato de que soamos como a vinte anos atrás, está ótimo!

3. Vocês se apresentam muito? Como estão os shows da cena emo/punk na Alemanha?

Flo: Nós fizemos duas pequenas turnês e tocamos nosso quinhão de shows, sim-embora eu quisesse tocar mais, sempre há um problema maior, uma vez que nós vivemos em quatro cidades diferentes e todos temos trabalho ou universidade para ocupar nosso tempo. Mas as oportunidades de se apresentar definitivamente estão ai. A cena punk é muito forte e bem organizada na Alemanha. Por exemplo, Münster, onde nós ensaiamos e vivemos, se tornou uma espécie de centro para bons shows hardcore e punk nos últimos dois ou três anos. Hoje em dia, bandas com o espectro “faça você mesmo” preferem tocar em Münster a se apresentar em Colônia ou Hamburgo quando elas planejam turnês européias, o que definitivamente diz algo sobre o impacto do “faça você mesmo” em pequenas cidades alemãs.

4. Até o ano passado, eu não conhecia muitas bandas emo européias. Então, quando eu ouvi Basement isso explodiu minha mente e eu imediatamente comecei a procurar bandas européias.Vocês podem, por favor, falar como vocês vêem as bandas emo européias e nos recomendar algumas realmente boas?

Flo:Devagar, mas constantemente, há um ressurgimento de toda coisa emo na Europa, embora isso realmente nunca tenha ido embora. Há algumas bandas que vocês deveriam checar, Sports da França, ou Gnarwolves do Reino Unido, por exemplo. Se vocês gostam de algo mais devagar, vocês deveriam checar uma banda da Áustria chamada Rika, eles são muito melancólicos e maduros. Também coincidentemente, a banda que nós dividimos a sala de ensaio, Käfer K, toca um emo 90 influenciado por indiepunk. Você tem que entender que a Alemanha aproveita o máximo possível de música. Se vocês não se importam de checar bandas que não mais existem, ouçam Reno Kid, eles são o Mineral da Alemanha, e Dear Diary, também da Alemanha. Uma das bandas mais promissoras do emo/post hardcore, ma minha opinião, é o Crash Of Rhinos. Eles acabaram de lançar seu segundo álbum, Knots, que é simplesmente brilhante se você gosta de música na veia de Small Brown Bike ou Knapsack.

5. Quais são as coisas que vocês aprenderam estando em uma banda que nunca aprenderiam em um trabalho chato e burocrático?

Flo: Uma coisa definitivamente nós aprendemos: você não pode achar que está garantido se coisas boas acontecem com você, você precisa apreciar o esforço que as pessoas colocam nas coisas. Também, é incrível o que você consegue atingir quando coloca seu coração nisso. Há muitos locais lutando contra o governo local, e as pessoas que estão no comando ainda passam seu tempo livre criando um espaço seguro para as pessoas festejarem, apesar de toda adversidade, o que é realmente incrível. Então, você aprende definitivamente o quão longe a amizade e o entusiasmo podem ir.

6. Quais são os próximos planos da banda?

Flo: Exatamente agora, nós estamos gravando algumas canções para um EP, que nós vamos gravar em novembro no estúdio do nosso amigo Jochen. Provavelmente serão quatro canções, e nós estamos procurando lançar em cassete ou vinil, bem velha escola. Nós também vamos provavelmente dar um tempo de fazer shows até o ano que vem, já que eu estou no fim dos estudos e nosso baterista recentemente se mudou para Hamburgo. Com a nova gravação sob nosso cinto, nós queremos cair na estrada o mais cedo possível ano que vem.

7. Há alguns álbuns que podem mudar nossa percepção sobre música e sobre a vida. Você pode nos dizer qual álbum que mais te influenciou?

Flo: isso pode me fazer soar como um geek total, mas o álbum que realmente mudou como eu ouvia música foi In Keeping Secrets Of Silent Earth, do Coheed & Cambria, lançado em 2003. Antes disso, eu nunca tinha ouvido música baseada na guitarra. Coheed realmente abriu esse mundo de contar histórias através de canções para mim, e embora eles mudaram muito seu som depois daquele álbum, eles ainda são uma das minhas bandas favoritas de todos os tempos. Eu realmente gosto do fato de ainda utilizarem histórias de ficção científica por um lado, mas também permitir que você interprete as histórias em um nível pessoal. Isso, na minha opinião, é um dos aspectos mais importantes na música.

8. As letras de Hate Granade tem um tipo de sentimento de contraste, mas tão intenso e real. Como as letras são criadas em seu processo musical?

Flo: Obrigado homem; é ótimo ouvir que nossas canções se conectam com as pessoas. Nossas letras são basicamente sobre coisas que aconteceram comigo ou coisas que me incomodam. Relacionamentos, fracassos e sucessos, o valor da amizade, crescer, coisas assim. Na maioria das vezes começa com uma única linha ou uma rima presa na minha cabeça, e eu vou escrever as letras em volta disso.

9. E como toda parte instrumental é criada?

Flo: Ah, tristemente nós não somos os únicos com essa abordagem, eu temo. Nós normalmente começamos com a parte instrumental. Usualmente, ou Phil, nosso segundo guitarrista, ou eu levo algum riff para o ensaio, e nós ficamos brincando com isso até achar algo que gruda. Isso funcionou bem até agora, e enquanto as idéias da guitarra aparecerem; deve ficar bem no futuro.

10. O que vocês fazem para sobreviver na sua cidade e qual é o nível de prioridade da banda em sua vida nesse momento?

Flo: Nosso baterista vai continuar ensinando ano que vem, nosso baixista está estudando e trabalhando meio período como bartender-o trabalho clássico pra uma banda, certo?- nosso outro guitarrista também está trabalhando meio período, e eu estou atualmente fazendo malabarismos entre meu trabalho numa revista musical e universidade. Já que nós vivemos em cidades diferentes, é difícil manter a banda em um nível profissional. Mas ainda assim nos divertimos, saímos bastante, tocamos em todos shows que pudermos e escrevemos novas músicas. Então, enquanto a banda não está no topo de nosso nível de prioridade no momento, nós definitivamente estamos ocupados com ela.

11. Falando sobre antigas bandas emo. Quais vocês gostariam que se reunisse para assistir um show ao vivo?

Flo:Oh, homem, isso seria uma longa lista. Então eu vou focar nos pontos mais importantes. Uma das minhas bandas emo favoritas, Gameface, acabou de se reunir. Eu espero que eles venham para Europa tocar alguns shows. Também eu venderia metade do que tenho para que o Mineral voltasse, eles realmente foram uma das coisas mais importantes e influentes que surgiram do movimento de 90.

12. Qual música que você costumava ouvir quando criança? Isso, de alguma forma, influencia sua música atual?

Flo: Pode soar estranho, mas eu cresci ouvindo hip hop consciente, coisas como A Tribe Called Quest, Talib Kweli, Dilated Peoples, Mos Def e artistas do tipo, eu nunca havia sido introduzido à música de guitarra até que eu mudei de casa alguns anos atrás. Os outros meninos da banda têm um plano de fundo mais punk. Lagwagon, Millencolin, Good Riddance e todas as bandas importantes do skate punk. O engraçado é que nada disso influencia em nossa música, embora uma vez nos disseram que soamos como uma mistura de Lagwagon e The Get Up Kids, haha.

13. Muito obrigado. Diga qualquer coisa, faça piadas, salve o mundo, mande beijo para os parentes, etc.

Flo: Valeu por nos dar a chance de fazer nossas coisas sem sentido serem ouvidas! Mas sendo sério agora: se você se importa com música, vá aos shows, e tente apoiar sua cena local do jeito que puder. Eu prometo, se você participar e ajudar a criar algo significativo, você será uma pessoa mais feliz em longo prazo. E lembrem-se: sempre sejam excelentes uns com outros, pessoal!

Nenhum comentário:

Postar um comentário