sábado, 19 de outubro de 2013

Crippled Black Phoenix- I, Vigilante [2010]

“Gosto de pensar que o mundo que criei é uma espécie de pedra angular do universo; que, por menor que seja essa pedra angular, se ela um dia for removida, o próprio universo desmoronaria”, William Faulkner.

Um breve passeio que não deve ser esquecido...

Se você é um fã do pós-rock, você já ouviu essa gravação antes; isso clama tudo que é assombroso no gênero. Utilizando semelhanças atuais entre as maiores bandas de uma vez, a graça da cena; trechos gravados revitalizando a insistência humanitária, forte necessidade de salvação puramente intrínseca, instrumentação executada sem rodeios aplicando pontos atmosféricos desesperados e deprimentes, apenas para exacerbar os altos que são embalados em abundância. Sim, isso tudo soa como um plano óbvio de depressões pré-clímax, mas quando você ouve realmente a intenção do álbum- a mente que escapa dos furiosos interlúdios de piano, fantásticas progressões vocais, e as quantidades sinistras de referencias sonoras dentro do gênero, você entende o álbum que com certeza é uma das melhores coisas dessa década.

Crippled Black Phoenix tem viajado para essa perfeição desde seu inicio, assim como é possível ver o esqueleto do amadurecimento já nos contos iniciais de William Faulkner, a banda também remodelou todos os elementos perfeitos através de tentativa e erro. I, Vigilante não perde tempo para mostrar porque veio.

A empreitada de I, Vigilante talvez seja sua repreensão do gênero que agora está acelerando. Claro, parece oferecer os mesmos mecanismos utilizados por uma típica banda pós-rock, com toda delicadeza para equilibrar os picos; como a típica montanha russa do gênero. Mas há uma atmosfera diferente construída ao redor dessa máquina. Os pontos baixos são apenas tristes por causa de suas transições de pianos decorados com um ambiente assustador, ou tempos de guitarra para acentuar a virtuosidade das faixas; deixando a banda fluir através de movimentos. É uma das razões porque é tão difícil isolar as faixas e falar sobre suas realizações individuais; porque elas só se realizam na soma do álbum, um olhar expansivo no que eles criaram no breve espaço de cinquenta minutos, e nenhum momento antes!

Na esperança de que eu não tenha acerbado todo entusiasta do pós-rock que conta através do monitor que não há nenhuma maneira disso rivalizar com qualquer trabalho do GY!BE ou Sigur Rós, deixe-me pará-lo ai e dizer que você está certo. Enquanto as bandas anteriormente mencionadas confiam em uma farta imaginação da parte do ouvinte, Crippled Black Phoenix quer que você aprecie o reino que eles criaram para você. Grande parte disso decorre do trabalho de acompanhamento dos vocais guiando seus passos, enquanto você vaga através de sagas ocidentais, antigos viajantes norte-americanos, e a representação da virada do século pelo Lynyrd Skynyrd-tudo sistemicamente.

Crippled Black Phoenix criou um álbum que é tão retroativo, único e familiar, prudente, mas nunca fora de sua qualidade.Onde uma raposa pode mudar sua pele, mas nunca seu caráter; solidifica a perfeição procurada através do progresso do Crippled. Enquanto eles adicionaram elementos ao reter outras peças essenciais, eles mantiveram essa ideia de tentativa e erro através da jornada para embarcar tal incredulidade, melhor do que nunca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário