quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Godspeed You! Black Emperor- F#A# (Infinity) [1998]

O álbum é incrivelmente épico. Me arrebatou na primeira vez que ouvi, "nossa, como existia algo assim e não conhecia?" pensei. Ouvindo isso até hoje, 15 anos depois de seu lançamento, a obra ainda me soa importante e venerável em todos os aspectos. Fervoroso com imponentes paisagens sonoras, um jogo onde a paranoia da caça é contrabalanceada pela esperança épica que alguns trechos criam, é facilmente um dos melhores álbuns de pós-rock de todos os tempos. Com clima decididamente inclinado para uma obscuridade sombria, há fagulhas de esperança escondidas em pequenos momentos. O álbum na verdade funciona como um aviso para os ouvintes; que o fim iminente está próximo caso não nos levantamos de nossas cômodas cadeiras e façamos algo. Mas com as consecutivas ouvidas esse álbum vai mostrando também um encorpamento de esperança e luz, principalmente em passagens redentoras com field recordings. É lógico que a banda sabe dos problemas estruturais do mundo, os trechos exaltando a esperança e fé são como lugares para se prender na fatalidade da existência. Por isso o clima de morte, fúnebre às vezes, seguido de algum momento lúdico que "compensa" toda a tempestade da guerra. Quanto mais ouço esse álbum mais fica evidente que o GY!BE queria que ainda acreditemos em algo, e estabeleçamos mais rapidamente um marco na entrada de nossa verdadeira existência. Ligue o som e se esqueça de onde está (se não conseguir o álbum faz isso por você!), as paisagens áridas e desfocadas vão se auto desenhar para você, sua mente vai agradecer exercício tão bem vindo! Outra imensa qualidade é a quebra da estrutura lógica do tempo, pois essa mais de uma hora de álbum proporciona uma espécie de pausa do cotidiano, para voltar ainda mais forte e esperançoso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário