quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Maria Lúcia Dal Farra- Alumbramentos [2012]



“Ler permite acariciar a dor, acalmar a condição humana — breve, precária e ao mesmo tempo maravilhosa.”, João Anzanello Carrascoza.

Maria Lúcia Dal Farra quer que participemos da travessia, e isso fica claro no primeiro poema de seu livro Alumbramentos (vencedor do Jabuti 2012). Atravessar a noite, a arte, com o auxílio do poema. Ela chama o leitor e espera dele uma participação, ela quer uma transcendência afetiva e encontrar outros “dentes que brilham feito astros”. Florescerá, então, toda metalinguagem não só poética como artística, da relação entre poemas e cenas naturais, do cotidiano e até datadas.

Impera aqui a forma arcaica da língua, aliando o misticismo ao naturalismo em busca de uma poesia orgânica, abalada pela finitude recriando esferas sobre animais, obras, outros poetas. Maria, ao mostrar que fica ao lado de uma arte mais ortodoxa (mesmo que não se limite a poemas métricos), faz uma poesia que infelizmente já perdeu o fôlego em mundo objetivo e de progressos estatísticos como mesura da qualidade intrínseca; em seus versos o “mercúrio seduz o enxofre”, Deus está nos recônditos e na cavalidade do cavalo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário