quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Sonic Youth- Sonic Youth [1982]

O primeiro álbum do Sonic Youth, Sonic Youth, foi lançado em 1982, poucos meses depois da formação da banda. “É quase chocante o quão maturo esse álbum é” observa Byron Coley, em seu encarte. Olhando a capa, não é difícil concordar. Ela descreve os quatro membros do Sonic Youth: Thurston Moore, Lee Ronaldo, Kim Gordan e Richard Edson. Kim parecer ter saído direto da graduação em arte, com seus óculos enormes e cabelo que parece ter sido cortado com faca e garfo, Thurston parece tem quatorze anos. Richard Edson não está usando o boné de baseball que Kim o encorajou a usar, e Lee parece estar com, hum, trinta anos! Mas essa é a foto que ele aparenta estar mais jovem das que eu vi.

De alguma maneira, não é tão chocante o quão maturo esse álbum é. Razão para tal, as bandas anteriores que eles estiveram. Não importa o quão chocante seja; esse álbum detona! No caminho típico artístico, interessante, inequívoco do Sonic Youth. Esse álbum é o contrário de todos os outros, distinto. As duas guitarras esquentam em dissonância no estilo Sonic Youth. Os assaltos das guitarras espreitam cada guinada que a música exige, sempre fazendo que o todo rejeite uma assimilação dos estilos massivos da época. Com poucos efeitos usados raramente, eles conseguem criar quantidades chocantes de ruídos, eles serrilham e investem repetidamente contra os acordes. O estilo minimalista do baixo da Kim fica estranhamente alto na mixagem, que impulsiona as músicas para frente, lhes dá estrutura, e mescla as canções firmemente. É o ponto de foco da maioria das canções, e permite que as guitarras reinem livremente. A bateria é principalmente simplista, e chama as raízes de dança do Edson. Sonic Youth também é notável pelas tentativas do Moore de cantar, que ele abandonou logo, e em vez disso optou por um zumbido único até o álbum de 1986 E.V.O.L.

Começa sem uma estrutura aparente, aparecendo uma batida de dança de vanguarda/post-punk, guitarra fora do tom, até o baixo da Kim emergir. Seu som solto, alto, é pesadamente inspirado no reggae. De repente irrompe um barulho estático rugindo, aparentemente criado pelo Lee executando um exercício mecânico através de um pedal “wah-wah”. Hum, interessante! A batida do tambor tribal dá o tom, e um energético baixo de duas notas segue. Aparentemente, essa direção é inspirada pelos seminais “Krautrockers” do Can, e os vocais do Moore são suas melhores impressões do Damo Suzuki. Isso é notável. Kim e Thurston trocam de instrumentos, e ele toca uma linha mais roqueira de baixo, enquanto Kim distorce tudo com o Lee.

A gravadora Neutral  foi criada para lançar esse álbum. Ou esse longo EP, sei lá. É um álbum muito interessante de ouvir. Mas mais do que isso, na verdade, é um dos grandes passos do Sonic Youth em direção a um som próprio (incrível como mesmo com linhas no wave e post-punk o álbum se difere muito das gravações da época).

"O ponto é, beleza e barulho e amor e eternidade. Em um pequeno pacote. O que mais você poderia pedir?" Byron Coley, no encarte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário