sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Ornette Coleman- Free Jazz [1961]

Uma vez que a peça começa a sério, certas características começam a se manifestar. Dentre destas, está  a experiência de Coleman tocando blues. Ele satura seu jogo e está presente em toda parte. O potencial do hard bop do Hubard se revela. De um ponto de vista conjunto há uma migração através da evolução, onde os elementos oscilantes podem ser ouvidos em fraseados recém-despertados e alguns riffs naturais da orquestra tipo Count Basie emergem naturalmente entre as sirenes. O que também é revelado é o senso de humor natural dos músicos, ouvido nas cotações de rimas e outras peças de jazz. Pra confirmar, essa música é insignificante no vácuo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário