sábado, 14 de setembro de 2013

John Coltrane- Ascension [1966]

Ascension é uma gravação única que localizou Coltrane firmemente dentro da vanguarda! Ao passo que, prioritariamente à 1965, Coltrane podia ser ouvido tocando em uma veia vanguardista com solos estendidos, atonais, e um projeto aparentemente livre para a batida, Ascension joga a maioria das regras através da janela com liberdade total para interações abrasivas.Gravada com três tenores (Trane, Pharoah Sanders, Archie Shepp), dois altos (Marion Brown, John Tchicai), dois trompetistas (Freddie Hubbard, Dewey Johnson), dois baixistas  (Art Davis, Jimmy Garrison), o solitário McCoy Tyner no piano, e Elvin Jones  na bateria, esse grande grupo é implacável. Enquanto há segmentos que o conjunto desempenha de forma discordante e abrasiva, esses são segmentos usualmente centrados em intrigantes solos baseados no blues de cada membro. A comparação que é imediatamente realizada é com o Free Jazz de Ornette Coleman lançado cinco anos antes. No entanto, devemos saber que Ascension certamente carrega seu próprio peso, e passa a estranha sensação de que a incursão genial de Coleman é uma aventura passiva- principalmente devido a uma qualidade sonora atualizada (à lá Bob Thiele) e também ao grande sentido de espiritualismo apaixonado de Coltrane. Cronometrado por volta de quarenta minutos, pode ser uma ouvida difícil no início, mas com uma orelha paciente e apreciação pelas coisas finas da vida, o prêmio é um grande entendimento do caminho pessoal que o artista estava na época desse desenvolvimento. Coltrane estava sempre em uma missão incessante para a expansão pessoal através das notas tocadas pela sua boca através do instrumento,na época dessa gravação ele tinha atingido o nível de "mais velho estadista" e para encontrar outras vozes (Shepp, Sanders, e Marion Brown) para impulsionar e expandir seus som e suas emoções. Portanto, Ascension reflete mais um evento do que uma gravação de jazz e deveria ser procurado por apreciadores experientes de jazz ou ouvintes de mentes abertas, mas não por transeuntes desavisados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário