segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Fire! with Oren Ambarchi – In The Mouth A Hand [2012]


Eu sei que é superficial, mas eu tenho ficado com um pouco de inveja do Oren Ambarchi esses dias. 2012 foi, depois de tudo, o ano do Ambarchi, com seu álbum Audience of One. Adicione a turnê com o SUNN O))), ainda com outra gravação incrível com Haino e  O’Rourke, foram uns meses e tanto para o australiano! Depois disso tudo, lançou um álbum com os jazzistas livres suecos Fire! Apenas para esfregar essas coisas na minha cara. Bastardo talentoso sortudo.

Werliin brilha particularmente de forma brilhante, sua percussão uma mistura requintada de precisão matemática e impressionante resistência. Ambarchi faz sua transformação usual da guitarra, cada nota estendida e distorcida em um vago ozônio que aos poucos vai se aninhando aos olhos turvos sobre os padrões repetidos de Werliin e o estrondoso baixo do Berthling. Essa plataforma rígida provê ao Gustafsson uma plataforma ideal para brilhar, e seu sax dança e tremula sobre o groove de seus companheiros, alongando no ar como uma bailarina lunática. Alguém vai pensar no This Heat, principalmente Horizontal Hold, ou uma redenção bizarra de Poptones, do PiL, filtrada através da psicodelia instrumental  do Oneida ou do Serpentina Satelite. Eu me aproximei do In The Mouth A Hand esperando uma humorada brincadeira de jazz livre, mas esse é um álbum que destila muitas influências em algo além do jazz ou rock, e você tem a sensação de que é algo feito de forma natural e com um sorriso maroto estampado na face de todos envolvidos! Feroz e divertido, In The Mouth A Hand pode não entregar nenhuma surpresa real ( por toda sua estranheza, parece que é alguma extensão do trabalho recente do Ambarchi, em particular), mas mostra o melhor desses músicos talentosos e, mais importante, o conforto que eles interagem e tocam, o que é provavelmente o que alguém esperaria com grandes expectativas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário