quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Entrevista com Football, etc.


Bem, uma das maiores satisfações de ter começado esse blog, foi poder entrevistar muitas das minhas bandas favoritas. Football, etc. é uma delas. Com um pop refinado, que lembra bastante as bandas lideradas por mulheres no rock alternativo dos anos 90, o trio- apenas Lindsay(guitarrista/vocalista) e Mercy (baixista) são membros constantes- vem fazendo bonito.

Então, fiquei muito contente quando ambas aceitaram responder algumas perguntas via email, você pode ler logo abaixo:

-



1.  Olá! Como estão as integrantes do Football, etc.?

Mercy: I estou na conferência da Associação para Historiadores Americanos em Washington DC. Está nevando e demasiadamente frio para mim.

Lindsay: Apreciando o feriado de inverno e me preparando para a turnê que está por vir!

2. Há muitas listas de fim de ano. Quais foram seus álbuns favoritos de 2013?

Mercy- Red Hare – Nites of Midnite, This Town Needs Guns – 13.0.0.0.0. e o novo da Beyonce.

3. Audible completou quarto meses de lançamento. Como foi a reação geral ao álbum e foi o que vocês esperavam?

Mercy: Eu acho que muitas pessoas curtiram o quão mais limpo e maior Audible soou (comparado ao The Draft), o que ansiávamos. Eu fiquei feliz por Audible ter tocado na rádio universitária também.

4. Vocês vão fazer turnê na Europa. Eu li os comentários no seu facebook e vocês pedem para seus fãs falarem como produtores, etc. Como é fazer tudo sozinhas? Vocês apreciam isso? Irrita às vezes?

Lindsay: Nosso amigo Tommy em Londres está agendando a maior parte de nossa turnê na Europa. É uma operação totalmente “faça você mesmo”. Nós preferimos fazer nós mesmas por algumas razões- nós interagimos diretamente com os produtores, temos mais escolhas do que queremos fazer, e é mais barato.

5. Como é a cena musical em Houston? E como é o público indie/emo em Houston?

Lindsay: Eu tenho estado feliz sobre como a cena tem mudado nos últimos anos. Mudamos-nos para cá em 2008, e tivemos um tempo difícil tentando encontrar um lugar na cena, mas há algumas bandas realmente boas aparecendo recentemente que são ligados na influência indie/emo. Eu estou ansiosa por ver essa parte da cena crescendo em Houston.

6. Há muita conversa envolvendo o tão chamado “emo revival”. Mas, se estou certo, vocês lançaram um EP em 2009, quase cinco anos! É um termo que chateia vocês ou vocês não veem algum problema?

Mercy: Eu não tenho problema com o termo, se está ajudando as pessoas a acharem música que gostam. Eu acho que é meio bobo e um termo enganoso às vezes. Mas todo esse fascínio em torno do “emo revival” está trazendo atenção para algumas bandas “faça você mesmo” que trabalham arduamente, e isso é certamente uma coisa boa.

7. Recentemente eu entrevistei o Dowsing e eles disseram apenas ótimas coisas sobre a CYLS. Vocês concordam com alguns paralelos que as pessoas fazem entre a CYLS e a Deep Elm de 90?

Lindsay: Eu acho que selos como a CYLS poderiam certamente ser comparados com alguns dos primeiros selos indie/emo. O que eu acho legal é como uma gravadora pode ajudar a criar e propagar uma cena e uma ética. Fãs musicais tornam-se leais a certos selos como a CYLS, Topshelf e Tiny Engines como a Vagrant, Polyvinyl e Deep Elm fizeram previamente.

8. Warren Franklin fez um cover muito bom de sua canção. Quais canções significam muito para vocês a ponto de fazer um cover?

Lindsay: Eu realmente amo música alternativa dos anos 90 (liderada por mulheres). Eu gostaria de fazer covers de bandas como The Breeders, That Dog, ou Liz Phair.

9. Poucos álbuns tiveram tanto efeito em mim com ambos Low Level Owl. Como foi trabalhar com o grande Ed Rose?

Lindsay: Foi um prazer trabalhar com Ed. Foi uma honra trabalhar com alguém que gravou discos como “Low Level Owl”, que é um dos meus discos favoritos de todos os tempos. Nós fomos capazes de gravar como quiséssemos, com alguém com tanta experiência ao nosso lado fazendo tudo funcionar. Eu estou tão triste que ele vendeu seu estúdio e vai fazer outras coisas- eu amaria trabalhar com ele novamente!

10. Essa constante mudança de baterista tem sido um problema ou tudo bem por vocês?

Mercy: Nós tivemos dificuldade em encontrar alguém que possa nos acompanhar em turnê e gravar. Por enquanto, nós vamos continuar sem um baterista permanente, que mora em Houston. Ao invés disso, vamos ter amigos preenchendo quando puderem. Nós tivemos ótimos momentos tocando com Andy do Annabel, e estamos ansiosas para tocar com Daniel do Papermoons/Pswingset, na próxima turnê. Daniel, provavelmente, também vai tocar nas novas canções que serão gravadas.

11. Muito obrigado. Por favor; deixe uma mensagem aos nossos leitores, qualquer coisa. Realmente agradecido.

Mercy: Obrigado por nos ouvir. Algum dia nós gostaríamos de fazer uma turnê pela América do Sul, então, por favor, nos indiquem boas bandas nos enviando email ou pelo Facebook.

Lindsay: É realmente um sonho nosso viajar para a América do Sul. Vamos fazer isso!

-

Para conferir a banda:

3 comentários:

  1. Boa entrevista! Elas mandam muito bem. Seria ótimo vê-las tocar no Brasil um dia, mas enquanto não acontece, que continuem fazendo bons sons.
    Seu blog tem twitter ou facebook? Fiquei bem a fim de acompanhar seus posts.
    Valeu!

    ResponderExcluir
  2. Opa, boa a ideia. Criamos um. Valeu. :)
    https://www.facebook.com/anthemalbumsblog

    ResponderExcluir