terça-feira, 16 de dezembro de 2014

30 Melhores álbuns de 2014

Foi uma alegria fazer essa listinha. Tanta coisa boa deixada de fora, mas creio que os escolhidos DEVEM ser ouvidos por todo mundo.

30- Paul Baran -The Other 
The Other Um álbum eletro-acústico político! Uma fusão bizarra de colagens sonoras com ruídos, mas ainda dá para dançar. Muito experimental, muito divertido.

29- Gustavo Jobim - Inverno 
InvernoGustavo Jobim é um cara que tem tanta coisa boa esse ano, que até fiquei em dúvida. mas fico com Inverno, lançado no primeiro dia de 2014 e um contra-ponto estético ao nosso verão colorido muito bem construído.

28- Cadu Tenório- Cassettes 
CassettesCassetes é um espaço vazio para as colagens, que revelam um músico distante de uma autoconstrução racionalizada, em meio a reflexões múltiplas que contemplam uma obra carregada e sombria.

27- Darius Jones- The Oversoul Manual 
The Oversoul ManualCom certeza um dos discos mais ambiciosos desse ano. Um trabalho realmente "futurista" e complexo.

26- Ideal Bread- Beating the Teens: Songs of Steve Lacy 
Beating the Teens: Songs of Steve LacyDizem que essa é uma captura muito semelhante das insanas apresentações ao vivo do conjunto. Para fãs de música que não admitem a ideia de "fronteiras".

25- Paul Bley- Play Blue - Oslo Concert 
Play Blue - Oslo ConcertMais de cinquenta anos de carreira e o mestre continua com um piano PERFEITO.

24- Dan Weiss- Fourteen 
FourteenUma belíssima composição com espaço para improvisos e solos. Estes que são tão integrados à composição que não aparentam ser solos. Não é um disco para "balançar" (como o começo dele sugere), mas nem precisa. Está muito ocupado explodindo sua mente durante o processo.

23- Concreto Morto Viver-só 










Um álbum que representa fielmente a sensação de exílio.Para berrar.


22- Moskus Mestertyven 
MestertyvenTudo livre improviso; canto, piano,instrumentos de sopro. Tudo junto evoca uma rara beleza. Com certeza é um disco que ainda tenho que ouvir mais vezes, mas meus ouvidos pedem uma visita todo santo dia.

21-Gazelle Twin- Unflesh 
UnfleshA catarse com que esse disco aborda temas tão caros e que, por algum motivo louco, são pouquíssimos explorados na música.

20-This Lonely Crowd Möbius and the Healing Process 
Möbius and the Healing ProcessEm Mobius and the Healing Process, o This Lonely Crowd nos contempla com infusões profundas em diversos aspectos sonoros. Na produção contemporânea acelerada, onde muitos falam que a música está em ruínas (e não dizem isso há cinquenta anos?), essa banda consegue um verdadeiro sucesso estético ao resignificar distintas abordagens em um ambiente tão transbordante.

19-Ava Luna- Electric Balloon
Electric BalloonSeja o gênero que você queira lhes dar (e cabe muitos;Pop Soul, Experimental Rock,Math Rock, No Wave, Funk, Post-Punk) o som do Ava Luna é completo. Eles têm o direito de se chamar o que quiserem.

18-Paul Rodgers- The Royal Sessions
The Royal SessionsProvavelmente a coisa mais descaradamente pop dessa lista, TRS mostra um Paul usando mais grooves, métricas super limpas e sua voz para dissertar sobre inutilidades, orgulho e tristeza.

17- Matthew Shipp- Trio Root of Things
Root of ThingsOutro que para mim dispensa apresentações. Acho que se eu fosse fazer uma lista de "álbuns" do ano, desde 2010, o Matthew estaria em todas.

16- St. Vincent- St. Vincent
St. VincentOutro 'hype' gigante,Annie mostrando que ainda tem muito a oferecer.

15-Kovtun- Sleepwalking Land
Sleepwalking LandQuase levantei e aplaudi depois de ouvir esse disco pela primeira vez. Não imaginava algo tão "polido" depois do Rádio Morto. A catarse continua- um ambiente árido em que tons sombrios predominam.

14- Bob Dorough- Eulalia
EulaliaCom 91 anos, Bob continua escrevendo as coisas mais gentis que se tem noticia. Um ótimo ano para pianistas.

13- J.-P. Caron- ST
STEsse é um trabalho que me "tomou" de assalto, assim como uma apresentação de Caron que testemunhei no início do ano.

12- Max Johnson- The Prisoner
The PrisonerThe Prisoner vai demorar muito, muito tempo até "começar" a chamar sua atenção. Mas com repetidas visitas, você vai descobrir sua profundidade. E vai crescer como uma avalanche.

11- Juçara Marçal- Encarnado
EncarnadoUm passo muito corajoso para a música nacional, confirmando nossa excelente produção que a todo o momento- seja por que raios for- queremos dar como morta.

10- Death Blues- Ensemble
EnsembleHá muito para celebrar e pouco para se criticar nesse disco.Jon Mueller continua se dedicando muito em sua música. Nós agradecemos.

09- Ratos de Porão- Século sinistro
Século sinistroRDP fazendo o que faz de melhor. Desgraça.

08-Lupe de Lupe- Quarup
QuarupMuita ambição nesse disco. Brasileiro e barulhento na medida certa.

07-Racionais MC's Cores & Valores
Cores & ValoresPesad0

06-Aphex Twin- Syro
SyroQuando saiu: "não acredito, disco novo do Aphex Twin". Acho que não precisa de apresentações.

05-ruído/mm- Rasura
RasuraTraduzindo emoções em melodias e ruídos.

04-Steve Lehman Octet- Mise en Abîme
Mise en AbîmeSegundo o New York Times, "Uma explosão de futurismo urbano", " hipnótico, cinético e caleidoscópico - e funky ". Pode parecer uma descrição muito "pitchfork", mas tenham certeza que é por ai.

03-Swans- To Be Kind
To Be KindOutra que dispensa apresentações. Um corpo musical fluido que, em seu ápice, decidiu ser registrado. Insano.

02- Brandon Seabrook- Sylphid Vitalizers
Sylphid VitalizersNada em 2014 foi mais "experimental" e de "vanguarda" do que isso. Não que tais adjetivos sejam intrinsecamente bons, mas isso aqui é tipo, "caralho, que foda!".

01- D'Angelo and The Vanguard- Black Messiah
Black MessiahUm álbum super polido, decididamente "hypado". Mas que não faz por menos. Um pop enraizado na cultura à qual D'Angelo se refere. Apague as luzes e assista o declínio do ano, em paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário