sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

discórdia dos compassos/ sedução do vazio

por exemplo, embora a proposição ontológica me foi muito convidativa no começo eu percebi a impossibilidade clara de estar-no-evento ou ser qualquer tipo de fenômeno. e é meio que foda porque eu não quero cair num clichê babaca qualquer, mas a palavra desistência sempre teve na minha formulação das coisas um sentido poético. de expressar algo muito mais preciso do que todas minhas elocubrações. eu lembro de estar na beira dum penhasco com os pés balançando no vento enquanto você segurava minha mão e eu meio que senti que podia ser qualquer outra coisa. qualquer outra pessoa. porque o que está dentro é inalienável num sentido monstruosamente restrito. desânimo globalizado. essas coisas

(topologia são ideias auto referentes)

(a discórdia dos compassos metabolizam a sedução do vazio)

(um discurso criteriosamente nulo)

(um poema perspicazmente impotente)

(feito sua mão na minha)

nós estamos ligados à uma matemática simples. elementos reduzidos a acréscimos desacreditados. mesmos assim: a vida passa e sempre passará.

eu escapo do assunto constantemente. eu tento fazer um exercício de linguagem e acabo causando controvérsia interna

(interna porque essa porra só diz respeito a uma questão de uma entidade)

eu determino minhas estruturas depois descubro a verdade através delas. eu me elucubro em monólogos apaixonados sobre resistência, paixão e arte. mera matemática. as próprias meta resenhas minhas não passam de significados internos sofisticadamente e pretensiosamente colocados num local reservado. melhor nem pensar se eu destituí alguém do elemento-estrutura e evidenciei que a obra x alçava uma compreensão corpórea e que só, e somente só, através do corpo a verdade pudesse ser experimentada

a verdade é única e a mente é vã
por isso que raramente a gente encontra coisas no escuro
quem foi que disse que ausência de formas é ausência de interação?
e desde quando interagir com o silêncio passou a ser o maior obstáculo?

 desde que aquela chuva nos surpreendeu e percebemos um plano anulado. e como plano anulado uma programação anulada

programação = algo que um dia foi um relacionamento

de novo a matemática. de novo as coisas que eu tento esquecer. ou formular em algo compreensível; em fazer destes pontos desconexos uma equação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário