quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Por-do-sol em Vitória ouvindo Secret Space



Eu estou mais próximo do mar e quando fecho os olhos para inspirar 

É como se o cheiro desta cidade trouxesse de volta tudo que eu jurei esquecer e as lembranças que a gente jurou enterrar no outono voltam à tona degradando qualquer redenção que a gente pensou que pudesse ter 

E na última noite eu sonhei com a mesma dedicação da vez em que pus tudo a perder e em nossos olhos restavam muito mais de nossas derrotas do que qualquer vã resposta 

Estes fardos são mais densos que o mar 

É muito mais peso do que eu supus suportar 


E em todas aqueles noites em que o fluxo do teto mantia meus olhos abertos em que eu jurei que estava me afastando de tudo o que mais me convidava ao pecado


Eu puder morrer em meu cinismo e minha confusão, atirando solidão aos pássaros em parques onde ver o sol nascer era símbolo de união


E por mais que eu passe pelas mesmas ruas, bares, e na sinalização do horizonte 


As nuvens se projetam e eu estou novamente próximo ao mar


Encarando o ponto mais distante como se esta visão garantisse que dessa vez vai ser diferente, que eu vou suportar

Nenhum comentário:

Postar um comentário