domingo, 17 de agosto de 2014

Entrevista com Is Anybody There?

Totalmente baseado no "faça você mesmo", o "Is Anybody There?" é uma dupla de São Caetano Do Sul, São Paulo que emerge em sentimentos do dia-a-dia para potencializá-los através de música. A sensação de que a vida pode ser bem mais do que é e de que pequenos momentos que realmente importam. A dupla é composta pelo Rafael Imamura que conduz a percussão, e Rodolfo Gatti (violão/voz) que respondeu algumas perguntas, falando sobre seu estilo de composição, bandas favoritas, envolvimento com a música e mais:
-


As músicas do “Is Anybody There?” são muito convidativas, atraentes e íntimas. Por que a opção de ir mais “para esse lado”?
R: No momento que penso em escrever uma canção, penso em tudo que vivi e tudo que estou vivendo. As vezes até, me inspiro nas situações íntimas de outras pessoas. Atualmente tenho escrito mais músicas de amor, com base na Gabriela, minha namorada e algumas letras com bastante ódio, raiva, a respeito da hipocrisia, moralismos e também dos políticos.

Seu trabalho do dia-a-dia  influência, de alguma maneira, suas músicas? Como é o processo de criação do instrumental?
R: O trabalho influencia, principalmente quando estou cansado e pensando em desistir de tudo. Quanto ao instrumental, o processo é simples. Faço os acordes e se sentir que aquilo tocou meu coração é o que vai ser. Não tenho noção de partitura, nem de porra nenhuma, deixo as 6 cordas me guiarem de uma forma transcendental, mágica e divina (divina no sentido de incrível e não no sentido, deus está me guiando, ou algo do tipo, pois não creio em deuses e religiões)

Quais são as bandas que mais te influenciaram?
R:As minhas maiores influências para compor são: Érico Junqueira, Nenê Altro, Legião Urbana, Portishead e Radiohead.

Como São Caetano atua na maneira que você compõe a música?
R: Creio que São Caetano não atua em quase nada. Apesar de ter bons amigos aqui, não sou fã daqui, meu coração é expatriado de São Caetano, São Paulo e Brasil. Creio que o universo todo atua na maneira, com seus eventos cotidianos, seja fora da terra, como dentro dela.

Lembrando-se de tempos mais distantes, como você se envolveu com música?
R: Desde pequeno tenho influências do rock, MPB e bossa nova, graças aos meus pais. Meu pai sempre foi um ás do violão e isso também sempre me deixou louco para aprender um instrumento. Aos 16 anos comecei a tocar violão! Uma sensação maravilhosa, uma liberdade gostosa. Não sei como explicar, sério! Atualmente canto e toco cajón também, se precisar haha. Quero aprender a tocar a gaita que meu pai me deu no ano passado, espero que consiga!


Quais são as coisas que você escuta hoje, que ainda escutava nos tempos de garoto?
R: Vamos ver, hummmm... porra, tem o Capital Inicial, mesmo achando que o Dinho ouro Preto é um trouxa, o Linkin Park, Gorillaz, Nirvana, Good Charlotte, Djavan, Iron Maiden, Green Day, Nenhum de Nós, Engenheiros, Legião Urbana, Chitãozinho e Xororó, Leandro e Leonardo, Raul Seixas entre outras aí.

O  “Is Anybody There?” tem planos para esse ano?
R: Nesse mês de agosto fechamos um contrato com uma “gravadora” independente chamada Selo MIV. A proposta dos caras é ajudar o cenário independente brasileiro sem alterar estilo musical da banda, letras da banda ou vestimentas. Com essa parceria aí, gravaremos um novo EP em Novembro.  Além dessa gravação do EP, eu gravarei uns sons, como se fosse projeto solo para jogar no youtube. Um deles, intitulado Ideologia, terá a participação do Batata (Douglas Barbosa). Acho que só, tudo que veio em mente por agora.

Explica pra galera como funciona o Musicômio.
R: O musicômio é um programa que passa toda quarta feira das 21h30 às 22h na www.radionagem.com.br  e tem como objetivo ajudar o cenário independente. Toda banda que tiver um som gravado pode mandar mensagem via inbox na facebook.com/musicomiooficial e solicitar participação no programa.

É isso ai mano. Deixa um recado pros nossos leitores. Valeu!
R: Um recado? Afaste-se de tudo que faz mal, não deixe professores retrógrados acabarem com seus sonhos, não seja escravo da política, seus sonhos não cabem em uma urna.Liberte-se dos dogmas religiosos! Acredite no que quiser, mas você sabe que não precisa de um líder religioso para dizer-te em quem acreditar ou para cagar regras na sua vida. No fim das contas a política e a religião só querem adestrar você, te condicionar em um sistema podre e falido. Não seja mais um que apóia a repressão policial e lute para que seja livre, livre para fazer o que quiseres. Fume, beba, leia, ria, ame, faça o que quiser, mas não interfira na vida de outra pessoa, faça o que quiser, mas saiba os riscos que isso trará a você.
E pra fechar, um trecho da música “A Vitória” do Dance of Days: “Hoje celebramos a nossa vitória contra o império da tristeza e do medo da escuridão. Nunca mais viveremos à sombra de teus deuses e reis!”
-

11 comentários:

  1. Véio , que lixo de banda, o guri fala como se fosse alguém importante, da pra saber que você não gosta muito de aulas mas , por tudo que é mais sagrado , vá pra umas aulas de canto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pela sonoridade e sinceridade! Vocês mandam bem!

      Excluir
    2. Fala como se fosse alguém importante? Isso foi uma entrevista, obviamente rolaram as perguntas sobre o trabalho dele e ele respondeu.

      Excluir
    3. Valeu pelos comentários Daniel e Anônimo rs
      E Sarah Winter, não sou importante, ninguém ai disse que somos. Podemos até ser, pra quem fez a entrevista e pra quem escuta nosso som, quem sabe ;)
      Se você não gostou, vaza daqui, se não vai somar, vá a merda!

      Excluir
  2. Baixei, curti e compartilhei

    ResponderExcluir
  3. O cara fala em respeitar a opinião alheia e depois fala mal de religião, hipocrisia e falta de senso mandou beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por quê hipocrisia e falta de senso? O cara falou pra você simplesmente ser você mesmo, sem viver às margens de dogmas, ordens e regras.
      Tudo bem, você pode até não concordar com a opinião do cara, mas cadê a hipocrisia que você citou? Não encontrei. Reli a entrevista e não encontrei a contradição da parte dele...
      "Afaste-se de tudo que faz mal, não deixe professores retrógrados acabarem com seus sonhos, não seja escravo da política, seus sonhos não cabem em uma urna. Liberte-se dos dogmas religiosos! Acredite no que quiser, mas você sabe que não precisa de um líder religioso para dizer-te em quem acreditar ou para cagar regras na sua vida."

      Excluir
    2. Falar mal de religião? Em nenhum momento falei mal de religião aí, não sabe ler não?
      Valeu pelo comentário acima q já respondeu por mim :3

      E se quer saber, sr. anônimo q está me chamando de hipócrita, religião é um mal sim, na minha opinião, mas acredita quem quer. Tenho todo o direito de achar q não serve pra nada, se você acha q serve então vá desfruta-la e não encha a porra do meu saco.

      Excluir
  4. "Se você não gostou, vaza daqui, se não vai somar, vá a merda!"
    Direito de opinião pra que, né?
    Amigo, tu poderias aceitar as coisas como críticas positivas, não?
    Claro, hostilidade não é necessária, mas que umas aulas de canto fariam bem, isso fariam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é outro imbecil, pois otário que posta nas paradas usando o "Anônimo" é otário!
      Veja bem o comentário dessa Sarah Qualquer Winter aí. A unica crítica que vi foi sobre a voz e isso eu concordo. A resposta q dei foi sobre o q a imbecil disse antes. Parece de ser retardado.

      A intenção de pessoas como ela ou vc não é criticar construtivamente, é humilhar mesmo, pessoas como vocês não vem pra somar, só pra subtrair mesmo

      Excluir