quinta-feira, 1 de setembro de 2016

nossos demônios são poderosos demais

@M tinha feito algo errado mas ela pensou que mal que tem isso porque todo mundo faz algo errado de vez em quando. @M pensava nisso mexendo incansavelmente nos seus óculos, como se a obsessão de seus dedos pelo tato fosse uma ação capaz de reverter as besteiras, o álcool ou devolver qualquer inocência. Isso de "eu perdi" minha inocência sempre foi como uma desculpa da mente para dizer como sucumbimos às fraquezas. Nossos demônios são poderosos demais; eles nos controlam e dentro dessa mente fechada são eles que fodem tudo. Mais fácil falar que um demônio invisível fode tudo.

"Por que você sumiu", @M lixava a unha. De novo a obsessão do tato. Tocar a carne. Tocar um objeto. Qualquer coisa que afirme a mortalidade. Qualquer coisa que mostre a indiferença. Que mostre que há algo mais forte do que nossas fraquezas. Que mostre que nossas fraquezas são nulas sob qualquer observação de um plano supostamente superior. Um ponto de vista em que o pensamento, a cisma, a insistência e a imaginação humana não podem acessar. Nem conseguem. Um ponto que é Deus. Um invisível em que tudo possa ser transferido. Descarregado.

"Eu parti por sua causa" Carol estava de pé testemunhando tamanho desdém. Aff. Ela, a outra, lixando as unhas. Aff. Carol não conseguia comunicar, no entanto, essa insatisfação ao ponto em que @M (que para efeito de proteção à intimidade prefere não ter seu nome revelado) queria encontrar aguma abertura para pedir desculpas.Carol encheu seu copo com um vinho doce demais qualquer. @M, sentada, levantou o olhar e tentou achar a brecha antes procurada no olhar da amiga. Ou ex amiga. Esta no entanto apenas enchia o copo à medida que nenhum contato real entre as duas acontecia. Os objetos (a lixa, o copo de vidro) eram pretextos para o bloqueio. Mas quem iria saber. Carol bebeu de uma só vez e colocou o objeto na mesa e fez barulho e o barulho incomodou @M que levantou de sua cadeira e disse muito nervosa ou melhor ela não disse ela gritou porque talvez só um grito atravessasse o campo de bloqueio entre as duas. Mas só talvez.


"EU FIZ TUDO ERRADO EU SEI MAS EU NÃO QUERIA SER TÃO MAL EU NÃO QUERIA SEMPRE FODER TUDO EU QUERIA QUANDO AS COISAS ACONTECESSEM FICAR PRESA NO MEU ÓDIO E NESTE ÓDIO FICAR ME INFLANDO ATÉ ACABAR COM TUDO NESSA PORRA". E se numa lei maluca as boas ações de @M conseguissem bancar suas ~supostas~ cagadas e ela tivesse que fazer um inventário extenso dessas qualidades e tivesse também que pesar tudo numa balança meramente abstrata. De repente daria certo. Mas Carol não iria querer saber disso. Você, no lugar dela, também não. Acredite.


"A questão é M____ que você poderia ter mudado toda essa história porque se realmente fossemos amigas você não teria mentido para mim e feito o que fez", Carol tentava manter qualquer suposta calma mas suas irritação era evidente. De maneira que a abertura dessa evidência deixou @M menos pressionada e menos disposta a repetir berros. Tentar se controlar. Essas coisas.

"Mas a gente sempre volta pra esses jogos e perece que essa relação nossa é baseada num loop infinito de trocas de ofensas e ver quem ganha o quê", a lixa de unha já estava no chão e talvez fosse melhor para o relacionamento de ambas se @M sentasse ou se Carol não ousasse beber (de uma vez só!) outro copo de vinho. Ambas interpretavam um papel (lhes designado pela mente ou qualquer atribuição da consciência de que é necessário se relacionar com alguém [é realmente necessário?]).

A dissimulação é incondicional. Mas como transformar dissimulação em amor e se este amor de fato existe (como nós preferimos acreditar que, sim, existe) como ele volta a ser amor depois que se transformou em uma série de atos violentos, escandalosos, subordinadamente histriônicos. Aquela era a realidade crua. Carol alcoolizada. Um depósito de mágoas (muito bem justificáveis, vale lembrar). @M tentando consertar tudo e fazendo tudo errado. Dois movimentos que se afastavam.

dandelion hands - it's all in your head
As luzes mercuriais noturnas emitidas pelos postes fixos na rua inundavam as lentes grossas do óculos de @M. Aquela conversa não havia construído nada de bom. Críticas levadas, berros, acusações, "eu te desculpo's" realmente não ocupados e honestidade cínica.

Enquanto Carol estava morando em outra cidade @M tinha passado por um bocado de coisas e ficou com medo de ligar dizendo coisas como "eu sinto sua falta" porque ela não queria não apenas não soar boba e criança como talvez quem sabe é só uma suposição admitir para si mesma que precisava mais de Carol do que pensava.

Passando pela esquina em que as duas ficavam fazendo planos para um amanhã muito distante - que chegou na forma de brigas domésticas e antigos rancores cultivados muito bem obrigado sob o frio invernal- @M se lembrou do primeiro beijo de boca que deu e se lembrou que Carol apresentou o menino. Ela estava envergonhada (ela demorou muito tempo para parar de ficar incomodada por usar lentes tão grossas que aprofundavam a densidade dos seus olhos). O beijo foi ok. mas o que ela mais guardava daquilo tudo era Carol ter ajeitado todo o esquema para ela. Carol agora que se dirigia em sentido oposto e não lembrava de ter organizado porra de beijo nenhum e nem sequer conseguia pensar em muita coisa. Muito álcool. Mas nisso Carol era diferente. Quando ela bebia muito (como naquela noite!) ela não ficava agressiva tal como @M (que, lembrando, pediu para não ter seu nome revelado). Carol estava vermelha e @M estava com saudades de certa época. Ambas por caminhos diferentes e caminhando na rua em que elas cresceram e se tornaram o que são se bem que naquele exato instante elas não eram muita coisa. @M p/ex. sentia que poderia ser dissolvida ali naquele tempo interiorana. Quando pequenas, ambas ficavam olhando as estrelas - sentadas em frente ao muro da casa dos pais de @M- fazendo projeções que, claro, como tudo que nós projetamos, iriam tombar e falhar e imprimir o fracasso na face delas. A bem da verdade, @M carregava uma impressão mais nítida desse fracaso. Impressão esta que gera não só distúrbios nela (quem dera fosse assim!) como nas pessoas ao seu redor ao ponto em que todos se distanciavam e silenciosamente @M sabia que isso era tudo sua culpa mas ai que tá. O problema de saber-se culpado nunca auxiliou ninguém a encontrar a origem desta culpa pois assim todos que sentem-se culpados rapidamente não teriam motivo para tal. Então para quem se sente realmente culpado talvez a morte fosse a única absolvição e @M pensou seriamente nisso e pensou no suicídio como se pensa em coisas p/ex. como o ar. Ou seja; abstratas mas palpáveis.

Costumava ser apenas as duas correndo por estas ruas e correndo de suas mães e correndo atrás de diversão e ocasionalmente correndo atrás de ajuda uma da outra. Parceria. Aparentemente indestrutível.

Carol se foi e @M sentiu-se desamparada e uma angústia diária rotineira crescia nela sem ela saber exatamente o por quê. Mas ela prosseguia porque inevitavelmente só dá para prosseguir.
A distância é uma droga perigosa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário