terça-feira, 18 de novembro de 2014

A coragem para cair em Ping Pong: The Animation

"Não há nada que eu não faria para aqueles que são realmente meus amigos. Eu não tenho nenhuma noção de amar as pessoas pela metade, não é a minha natureza.
― Jane Austen, Northanger Abbey

Em Ping Pong, a vitória não é romanceada. Uma sensação de mobilidade contínua afasta essas meras dicotomias de “quem perde ou quem ganha”. É como se a repetição dos confrontos não necessariamente transformasse as pessoas em entidades melhores, mas uma sensação de mutação constante sobre como agimos. Não é um fim objetivo; tudo termina e recomeça e não temos muito tempo para raciocínios lógicos (como em uma partida!). Deixa a impressão nítida de que todas as vitórias serão desfeitas, todo treinamento resultará em algo concreto e todas as outras possibilidades afrontadas pela perpetuação do real. Mas em cada retorno existe a transformação. Colocados sob pressão e racionalizações instituídas, esses regressos representam o que evoluímos, mas também um aspecto adjacente do nível de evolução que poderíamos atingir.

Ping Pong aborda o modo cruel que “as forças que operam em nossas vidas” são cinicamente distribuídas. Temas como; talento, esforço, disciplina e seriedade, operam dentro de cada indivíduo, e até que ponto um supera o outro é muito incerto. Principalmente quando de fato fazemos muito pouco do que desejamos. A namorada de Kazama diz, “seu pai tinha muita sorte em fazer o que queria”- este que não sabemos se suicidou-se ou se morreu em um acidente. Os paradoxos se destacam em Ping Pong. Há o menino que tem a certeza que vai ser campeão mundial e joga simplesmente para se divertir (Peco), Smile que via no tênis de mesa sua única escapatória para sorrir de verdade (e que vai perdendo isso com a idade, até seu apelido- sorriso- fazer completamente sentido inversamente), e não se sabe exatamente quais forças motoras que determinam quem é o “melhor” no jogo e, obviamente, na vida.


O fracasso é um tema recorrente da série. Na verdade, de todos aqueles garotos, apenas Peco prossegue carreira. São divisões muito tênues que nos caracteriza como indivíduos únicos lançados no mundo e é isso que Ping Pong busca acentuar. “Você é tudo o que você tenta ser até chegar a seus limites”. No primeiro episódio, alguém diz, “sempre há alguém melhor que você”. O show ratifica esse bordão, ainda fortalecendo, “do seu lado há alguém melhor que você, mais inteligente, esteticamente mais aceito”. A noção do próprio fracasso é fundamental. Mas tudo isso se restringirmo-nos às convenções sociais! A série também exalta que é um mundo repleto de possibilidades- quando o exilado chinês descobre que talvez o Japão seja realmente seu novo lar. Não é viver sem dor. É viver apesar de. É viver carregando todos os fardos que um dia pareceram impossíveis com a certeza preponderante de estar se fazendo o melhor possível.

É sobre acreditar nas pessoas. Ter empatia pelos seus limites. A dor é o que nos une. Por mais que alguém sonha, sempre vai ser impossível se ausentar da competição que o comportamento neoliberal estimular. Mas, então, o que fazer? Reconhecer as fontes de prazeres genuínos nesse caos.

Em cada prazer também há tangencialmente uma fonte de fracasso esperando. Mas não deveríamos ter medo de cair porque o sangue prova que estamos vivos. O chinês Wenge, que inicialmente odiava o Japão, perde e é obrigado a passar algum tempo com seus companheiros de equipe, e acaba se transformando num mentor da equipe, esta que genuinamente o admira. Um mundo de possibilidades anteriormente impensadas se abre quando observamos a ótica mais vasta do universo. Trata-se de ver além do que fomos projetados e, também, além de sonhos que alimentávamos- talvez por ingenuidade, por teimosia ou pensamentos unilaterais- para encontrar pequenas brechas na existência que nos estimulem.

Em Ping Pong, pessoas que inicialmente se viam apenas como oponentes e adversários aos poucos vão compreendendo suas similaridades e que são parte de um todo. Esses antigos inimigos adquirem empatia pelos seus próximos e deixam de vê-los como simples obstáculos, mas como seres humanos. Na partida entre Peco e Kazuma, este último começa a perceber o que Smile vinha em tanto tempo aguardando. Ao passo que a animação se desenvolve e a “vitória final” vai parecendo cada vez mais como um conceito infantil e simplista, nós nos deparamos com um desenvolvimento tremendo das personagens no que se refere à autoconsciência. Nesses termos, a estética de Ping Pong se parece muito com seu enredo- animações aparentemente pictóricas e desleixadas que vão adquirindo vida no desenvolvimento da trama.

Peco é o herói de Ping Pong e representa tudo o que a série quer dizer. Não porque ele não falha. Ele é o ídolo porque apesar de tudo o que acontece com ele, nenhuma queda e nenhuma derrota vai destruir o amor incondicional que ele tem pelo jogo. Ele “zomba” dos outros, não por se sentir superior, mas ele simplesmente deseja que as outras pessoas “voem nas mesmas alturas”. Porque o tempo voa quando estamos nos divertindo. Podemos voar com essa diversão também. Peco ensina, principalmente, Kazama e Smile de que todos os limites impostos surgem de nós. Nada precisa ser tão frio e o esforço não vale tanto se não há prazer. Precisamos repensar em nossa relação diante do que enxergamos como “dificuldade”. Precisamos encontrar as possibilidades ocultas e admirar o que é intrínseco em cada entidade.

Os pássaros podem voar. E embora nós não tenhamos essa facilidade, é nossa obrigação mirar o céu. E cair e levantar quantas vezes conseguirmos. E ter prazer em todas essas tentativas. Peco arriscou, ele era o pássaro preso na jaula, que surgia em certas tomadas em alguns episódios. Já dizia o Campbell Trio, “The day is coming, don't be afraid, and we all will be back to life.”. Ping Pong mostra os possíveis caminhos para esse retorno- amor incondicional, prazer em ensinar, alegria ao cuidar de flores. Estamos todos vivos porque há o gosto de sangue na boca. Ping Pong se estabelece no que podemos construir ao nosso redor. Porque os acontecimentos certamente serão bem desconfortáveis, mas já estamos lançados na existência e o aborrecimento é algo inerente. Algumas pessoas desenvolvem resiliência, outras continuam caminhando por aí até encontrar alguma paisagem que justifique a errância, outros ficam fechados em seu mundo e ali vão perecer. Das poucas pistas que a vida deixa, o que podemos concluir é que um sentido instituído ela nunca vai apresentar. Depende de nossa capacidade. Não a competência para vencer, mas a coragem para cair e beber o próprio sangue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário